Mais de 3.100 lesados do Banif e BES apresentaram queixas

Junho 17th, 2019

Citamos

Eco

Mais de 3.100 lesados do Banif e BES apresentaram queixas

 

Em causa, nas reclamações, estão cerca de 3.500 lesados que perderam um valor aproximado de 410 milhões de euros em investimentos em títulos de dívida no BES e Banif.

Mais de 3.100 lesados do Banif e do Banco Espírito Santo (BES) apresentaram reclamações junto da Ordem dos Advogados até 8 de junho, data limite, mas algumas estarão repetidas, disse à Lusa fonte próxima do processo. De acordo com essa fonte, foram apresentadas um total de 3.131 queixas de lesados, com 2.315 a dizer respeito ao Banif e 816 ao BES.

“Porém, já se detetaram reclamações repetidas e ainda se está a fazer essa depuração”, indica a mesma fonte, que espera ter o processo concluído ainda “esta semana”. Os últimos números conhecidos, relativos a 5 de junho, indicavam um total de 2.559 lesados com queixas, sendo 1.860 relativos ao Banif e 559 ao BES.

O prazo original para apresentação de reclamações, 24 de maio, tinha sido prorrogado até 8 de junho, para que mais lesados pudessem apresentar reclamações.

Em causa, nas reclamações, estão cerca de 3.500 lesados (cerca de 2.000 a 3.000 do Banif e mais 500 relacionados com o BES) que perderam um valor aproximado de 410 milhões de euros em investimentos em títulos de dívida no BES e Banif, segundo informações avançadas em 22 de abril na tomada de posse na Ordem dos Advogados, em Lisboa, das duas comissões de peritos que vão decidir os lesados elegíveis para serem integrados numa solução.

O objetivo da referida ação é que, depois desta fase, seja constituído um fundo de recuperação de créditos e que os lesados elegíveis pelas comissões de peritos sejam indemnizados.

Os lesados elegíveis para apresentar reclamações eram investidores não qualificados (investidores não profissionais), tanto particulares como pequenas empresas, que investiram no Banif em títulos de dívida do próprio banco e da ‘holding’ Rentipar (que detinha parte do Banif) e ainda clientes que investiram em títulos de dívida do grupo do BES através das sucursais exteriores (que são sobretudo emigrantes da Venezuela e África do Sul) e através do Banque Privée (pertencia ao BES).

Podiam ter apresentado reclamações todos os clientes abrangidos pelas condições, sejam ou não associados de associações de lesados.

No caso dos lesados do BES apenas puderam reclamar aqueles que não foram abrangidos pela solução para o papel comercial. Aqueles lesados que podiam ter sido abrangidos por aquela solução, mas decidiram não o fazer, muitos dos quais por a considerarem injusta, não puderam concorrer a esta solução.

As comissões de peritos para os casos Banif e BES vão decidir os lesados que terão direito a ser compensados com base em se foram vítimas ou não de práticas ilícitas na comercialização de instrumentos de dívida (obrigações, papel comercial, eventualmente ações preferenciais).

Fundo de Resolução foi chamado a avaliar 107 vendas de ativos tóxicos do Novo Banco. Travou 15

Junho 17th, 2019

Citamos

Eco

Fundo de Resolução foi chamado a avaliar 107 vendas de ativos tóxicos do Novo Banco. Travou 15

Até ao momento, só 15 das 107 operações analisadas por Máximo dos Santos mereceram o “chumbo”. Maioria das que foram aprovadas, foram-no com condições para evitar perdas mais avultadas no Novo Banco.

Vender, vender, vender. Este tem sido o mote da Lone Star desde que assinou a compra do Novo Banco, procurando o mais rapidamente “limpar” a instituição financeira liderada por António RamalhoEssas operações de venda de ativos tóxicos têm custos que estão a ser suportados pelo mecanismo de capital contingente, sendo financiadas pelo Fundo de Resolução que tem uma palavra a dizer quando em causa estão transações de maior valor. Até ao momento, só 15 das 107 operações analisadas por Máximo dos Santos mereceram o “chumbo”.

“Até 15 de março 2019 o Fundo de Resolução pronunciou‐se relativamente a 107 operações”, revela a entidade liderada por Máximo dos Santos num conjunto de respostas a questões sobre o Acordo de Capitalização Contingente celebrado entre o Fundo de Resolução e o Novo Banco no âmbito do compromisso assumido pelo presidente do Fundo de Resolução junto da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa da Assembleia da República.

O Fundo apenas é chamado a pronunciar-se “quando estejam em causa operações de maior materialidade”, tendo o apoio do Departamento de Resolução do Banco de Portugal, no qual foi criada uma equipa especificamente dedicada ao acompanhamento do mecanismo de capitalização contingente. E no total das operações só 15 mereceram oposição total de Máximo dos Santos, evitando-se perdas mais avultadas com os ativos do Novo Banco. Nos “chumbos”, o Fundo de Resolução “considera não ter sido adequadamente demonstrado que está a ser maximizado do valor do ativo”, diz.

“Com frequência, o Fundo de Resolução conclui que as operações propostas apenas se mostram aceitáveis se forem verificadas certas condições ou transmite orientações ao Novo Banco que alteram os termos e condições das operações“, refere o mesmo documento onde é revelado que as restantes 49 operações tiveram autorização “conforme proposto” pelo Novo Banco.

Perdas acumuladas ascendem a 2.661 milhões

Mesmo com o controlo do Fundo de Resolução, o processo de venda de ativos tóxicos do Novo Banco tem vindo a gerar perdas avultadas para o banco, reduzindo o rácio de capital da instituição para níveis que têm obrigado a injeções de capital acordadas no âmbito do Acordo de Capitalização Contingente. Reforços de capital feitos pelo Fundo de Resolução com empréstimos obtidos junto do Estado, ou seja, dos contribuintes.

Máximo dos Santos revela que as “perdas acumuladas neste conjunto de ativos abrangidos desde 30 de junho de 2016 ascendem a 2.661 milhões de euros e o valor de recebimentos (amortizações de capital, recebimento de juros ou receitas de vendas de ativos) relativos aos mesmos ascende a cerca de 3.300 milhões“. Só no ano passado, o Novo Banco registou perdas que levaram o Fundo de Resolução a injetar mais 1.149 milhões de euros, aumentando o “buraco” do fundo para 6.114 milhões.

Com todas as vendas já realizadas, a carteira de ativos tóxicos “regista uma redução significativa”, nota o Fundo. Assim, o “valor da carteira, a 31 de dezembro 2018, ascende a cerca de 3.920 milhões de euros (valor contabilístico líquido de imparidades), valor que compara com o valor inicial de cerca de 7.838 milhões de euros (‐50%)”, remata Máximo dos Santos. Para cobrir perdas dos 3.920 milhões de euros, já só estão disponíveis 1.950 milhões do mecanismo.

Fundo dos lesados do BES processa Haitong e ex-administradores

Junho 15th, 2019

Citamos

Económico

Veículo criado para indemnizar lesados do Banco Espírito Santo exige 518 milhões a banco de investimento e cada um dos seis antigos gestores, entre os quais Ricardo Salgado, José Maria Ricciardi e Morais Pires. Ação deu entrada no tribunal a 7 de junho.

O fundo que representa os lesados do Banco Espírito Santo (BES) avançou, a 7 de junho, com sete ações judiciais, no valor global de 3.626 milhões de euros, contra o antigo banco de investimento da família Espírito Santo (BESI) – atual Haitong -, e seis antigos administradores, que responsabiliza pela queda da instituição em 2014, revelou ao Jornal Económico fonte próxima ao processo. “As ações de responsabilidade solidária deram entrada na passada sexta-feira, 7 de junho, no Juízo Central Cível de Lisboa”, revelou ao Jornal Económico fonte próxima do Fundo de Recuperação de Créditos de clientes do BES, o veículo que foi criado para indemnizar os dois mil lesados do banco falido que compraram papel comercial de holdings do GES nos balccões do BES, Banco Best e Banco Espírito Santo Açores (BAC).

Acusações a Ricardo Salgado

Número de processos no âmbito da Operação Marquês, por tipo de crime

933321

Total: 21

  •  Branqueamento de capitais
  •  Falsificação de documento
  •  Fraude fiscal qualificada
  •  Abuso de confiança
  •  Corrupção activa
  •  Corrupção activa de titular de cargo político

Segundo a mesma fonte, “os réus foram administradores do atual Haitong: Amílcar Morais Pires, José Manuel Espirito Santo Silva, José Maria Espírito Santo Silva Ricciardi, Pedro Mosqueira do Amaral, Ricardo Salgado e Ricardo Espírito Santo”, dando conta que o valor individual de cada acção é de 517,5 milhões de euros. Sobre este montante explica que é o valor das perdas dos lesados em papel comercial da ESI e Rioforte, mais juros: 423,9 milhões de euros de capital mais 93,6 milhões de juros. Recorde-se que Ricciardi foi o único membro do conselho superior do GES que se manteve em órgãos do banco e do grupo após a medida de resolução aplicada pelo Banco de Portugal. Presidiu o BESI, integrado no Novo Banco até à venda à sociedade chinesa Haitong.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Santander Totta condenado a pagar 104 mil euros a cliente a quem vendeu obrigações do Novo Banco

Junho 11th, 2019

Citamos

Negócios

O tribunal cível de Lisboa condenou o Santander Totta a pagar 103,7 mil euros a uma cliente a quem vendeu obrigações do Novo Banco que acabaram transferidas para o BES ‘mau’, com consequente perda do investimento.

A sentença do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa – datada da passada quarta-feira (5 de junho) e que a agência Lusa teve hoje acesso – condena o Santander Totta “no pagamento à autora da quantia de 103.722,88 Euro (cento e três mil, setecentos e vinte e dois euros e oitenta e oito cêntimos), acrescida de juros de mora, à taxa supletiva civil, contados desde 9 de abril de 2015 e até efetivo e integral pagamento”.

Questionada pela agência Lusa sobre se pretende apresentar recurso da decisão judicial, fonte oficial do Santander disse que o banco está, “neste momento, a analisar a sentença”.

Em causa está um contrato de venda de obrigações do Novo Banco, assinado em 7 de abril de 2015 num balcão do Santander Totta, na sequência de “um contacto havido entre o gestor de conta e o irmão da autora”. Esta, “já idosa, pediu ao seu irmão que junto do banco réu procurasse saber de soluções para aplicar os seus meios financeiros […] desde que fossem passíveis de confiança quanto à liquidação integral na data de vencimento”.

Segundo se lê na sentença, “o gestor de conta sugeriu e informou que se tratava de dívida do Novo Banco, S.A., e que seria sempre esta a entidade a restituir o valor a investir na data de vencimento (15 de janeiro de 2018)”, considerando o juiz que o Santander Totta “deliberadamente não transmitiu os riscos reais inerentes a tal operação financeira, ocultando a verdadeira natureza do produto que veio a ser adquirido pela autora”.

Isto porque, refere, foi omitido à cliente “que a obrigação havia sido transmitida para o Novo Banco, S.A., pelo Banco Espírito Santo (BES), através da Medida de Resolução do Banco de Portugal datada de 3 de agosto de 2014”, tendo-lhe ainda sido ocultado “que existia a possibilidade de serem retransmitidas, como foram, para o perímetro do BES, nos termos constantes daquela medida e da deliberação de 29 de dezembro de 2015 do Banco de Portugal”.

“Sabia o réu que, caso a autora conhecesse as características do produto e a sua relação com o BES, jamais subscreveria tal obrigação”, sustenta o juiz, considerando que “a autora incorreu em erro na formação da vontade relativamente a elementos fundamentais do contrato, mormente quanto à natureza, origem e garantias do produto financeiro adquirido — elementos que o réu sabia serem essenciais para a dita contratação”.

O banco Santander Totta contestou a pretensão da autora, argumentando a “caducidade do direito de anulação do contrato”, a “caducidade da responsabilidade do intermediário financeiro” e a “prescrição da responsabilidade civil da entidade bancária”.

Nos termos da sentença, sustentou ainda que o produto financeiro foi por si apresentado “com obrigação de a entrega do capital e dos juros ser da única e exclusiva responsabilidade da entidade emitente, que não da entidade colocadora (banco), agindo esta de uma forma criteriosa junto da autora e observando os deveres legais e contratuais que sobre si impendiam”.

Argumentou também o Santander Totta que “a autora aconselhou-se, sobretudo, com recurso ao seu irmão na escolha e subscrição da obrigação, sem a intervenção preponderante do réu”.

Contactado pela agência Lusa, o advogado da queixosa, Pedro Marinho Falcão, afirma que “o Santander vendeu gato por lebre”: “Vendeu obrigações BES como se fossem Novo Banco e o juiz veio dizer que há violação do dever de informação, porque o cliente não foi avisado que aquelas obrigações podiam ser retransmitidas para o perímetro do BES (quando isso constava do próprio plano das obrigações) e, nessa medida, passariam para o banco ‘mau’ [a entidade que ficou com ativos problemáticos do ex-BES e que não tem capacidade financeira para assumir os compromissos com que ficou]”, referiu.

Explicando que “foi condenado o banco vendedor, que neste caso não é o banco emitente das obrigações em causa, mas o que serviu como intermediário financeiro e falhou na obrigação de informação”, o advogado disse ter conhecimento de “muitos outros clientes que estão nesta situação”, tendo comprado ao balcão de vários bancos obrigações do BES “convencidíssimos de que eram do Novo Banco”.

No passado mês de março, uma decisão semelhante foi tomada pelo Tribunal da Relação do Porto, mas tendo o Novo Banco como intermediário financeiro e réu.

Num acórdão datado de 21 de março, a Relação confirmou a decisão da primeira instância de anular o contrato de venda de obrigações do Novo Banco e condenou a instituição bancária a pagar mais de 100 mil euros a um cliente a quem tinha vendido obrigações transferidas para o BES ‘mau’, com perda do investimento.

Em dezembro de 2015, mais de um ano depois da resolução do BES, o Banco de Portugal decidiu passar para o ‘banco mau’ BES mais de 2.000 milhões de euros de obrigações não subordinadas do BES que inicialmente tinha decidido que eram responsabilidade Novo Banco.

Essa decisão penalizou os investidores que detinham esses títulos.

Grandes fundos internacionais, como Blackrock e Pimco, têm desde então criticado fortemente esta decisão do banco central, que consideram “ilegal e discriminatória” e puseram ações em tribunal.

Prazo para lesados do Banif e BES reclamarem poupanças termina a 11 de Junho

Junho 7th, 2019

Citamos

Público

Comissão de Peritos da Ordem dos Advogados já recebeu 1712 reclamações de clientes do Banif e perto de 500 do BES

O prazo para os clientes do Banif e das sucursais no exterior do BES apresentarem reclamações relativas a perda de poupanças termina a 11 de Junho. As reclamações são apresentadas a duas comissões de peritos da Ordem dos Advogados, que decidirão a sua inclusão numa solução que lhes permita recuperar, pelo menos uma parte, das perdas sofridas.

De acordo com a última contagem apurada pelos advogados da Associação dos Lesados BANIF (ALBOA), até ao final de Maio foram apresentadas 1712 reclamações na Comissão de Peritos da Ordem dos Advogados. No caso das sucursais do BES, o advogado Nuno Silva Vieira disse ao PÚBLICO que serão perto de 500 as reclamações apresentadas. Recorde-se que o primeiro prazo, de 30 dias, terminou a 23 de Maio, tendo sido prolongado por mais 15 dias, que terminam a 8 de Junho (sábado), pelo que na prática termina a 11 (carimbo do correio para quem opte por enviar por este meio), já que dia 10 (segunda-feira) é feriado.

No caso do BES estão em causa clientes da sucursal na Madeira (sobretudo emigrantes na Venezuela e África do Sul) e do Banco Privée. No Banif, a maioria dos lesados reside nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, mas também há um número considerável nas comunidades emigrantes da África do Sul, Venezuela e costa leste dos EUA.

Nos próximos meses (150 dias corridos no caso do Banif e 120 dias no caso do BES) as comissões avaliarão se os clientes (que têm de ser investidores não qualificados ou não profissionais) foram vítimas de práticas ilícitas na comercialização de instrumentos de dívida (obrigações, papel comercial, acções preferenciais).

Estado arrisca pagar 700 milhões de euros na liquidação do BES

Junho 7th, 2019

Citamos

Expresso

Comissão liquidatária do BES reconhece 2,2 mil milhões de euros em créditos comuns. Estes investidores têm de receber 31,7% do seu investimento. Se não receberem na liquidação, é o Fundo de Resolução que tem de compensar

O Fundo de Resolução, veículo que é financiado pela banca mas que tem sobrevivido com injeções de dinheiros do Estado, arrisca ter de pagar cerca de 700 milhões de euros no processo de liquidação do Banco Espírito Santo. É ele que poderá ter de compensar credores como o Novo Banco, grandes gestoras internacionais como a Pimco ou ainda o Fundo de Pensões da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Mas o caminho é ainda longo.

A comissão liquidatária do BES reconheceu um total de 5,06 mil milhões de euros de créditos por reembolsar, conforme comunicado na passada sexta-feira. Deste total, 2.221.549.499 euros correspondem a créditos comuns, como por exemplo donos de obrigações seniores emitidas pelo BES. São estes credores que podem vir a imputar custos ao Fundo de Resolução.

Isto porque a Deloitte elaborou, em 2016, um estudo, obrigatório por lei quando há resoluções bancárias, que concluiu que os credores comuns (seniores) do BES teriam direito a ser ressarcidos em 31,7% do valor investido naquela entidade. Tudo se deve à lei.

O Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, replicando a legislação europeia, obriga a que seja feita uma avaliação a uma instituição que tenha sido alvo de uma resolução: o objetivo é comparar os efeitos dessa intervenção com a hipótese de, na mesma data, aquela instituição ter ido logo para liquidação. E a lei prevê que os credores não podem sair mais prejudicados na resolução do que teriam sido na eventual liquidação. Assim, se o estudo chegar a essa conclusão, aqueles credores têm de ser compensados. A diferença entre o que recebem na resolução e o que conseguiriam na liquidação tem de ser satisfeita pelo Fundo de Resolução. Foi essa a auditoria que a Deloitte fez no BES, depois de escolhida pelo Banco de Portugal.

No caso do BES, não havia aplicação do exame a credores garantidos e privilegiados, já que eles transitaram para o Novo Banco na resolução. Ou seja, não sairam prejudicados. Mas os credores comuns teriam recuperado, se o BES tivesse ido para liquidação a 3 de agosto de 2014, 31,7% do investimento. Já os subordinados nada teriam recebido, logo a nada têm direito ao abrigo deste enquadramento legislativo.

SUBORDINADOS NADA RECEBEM

Assim, dos cerca de 2,2 mil milhões de euros reconhecidos, os credores comuns têm de recuperar 31,7% do investimento, ou seja, 704 milhões de euros. O ressarcimento deve ser feito primordialmente através da recuperação no processo de liquidação – os últimos números, relativos a 2018, não são, porém, animadores: o ativo do BES cobre apenas 3% de todo o passivo.

Se não houver recuperação na liquidação, o Fundo de Resolução tem de assegurar que aquela percentagem é alcançada pelos credores comuns. É por isso que, se nada for obtido pelos credores na liquidação, é o Fundo de Resolução que tem de entrar com o dinheiro. Sendo assim, a sua convocatória só poderá ser acionada no fecho do processo de liquidação.

Neste momento, ainda corre o processo de consulta da listagem de credores publicada na semana passada, sendo que as impugnações do elenco de credores reconhecidos poderão ser feitas entre 2 de agosto e 2 de setembro.

Entre os credores do BES reconhecidos encontra-se o Novo Banco, que reclama 277 milhões de euros, sendo que 233 milhões dizem respeito a créditos comuns e os restantes a subordinados. É a parcela de crédito comuns que poderá ser compensada.

Grandes gestoras, como a Pimco, a BlackRock, a CQS e a Trinity, e instituições internacionais, como o BBVA, o BNP Paribas, o Credit Suisse e a Merrill Lynch estão entre os credores comuns do BES. Também há presenças nacionais: BIC, Fundo de Pensões da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e Instituto de Gestão Financeira e de Equipamento de Justiça, que reclama 8,5 milhões, aí se encontram.

A grande maioria destes credores era detentor das obrigações seniores emitidas pelo BES que estavam no Novo Banco mas que foram retransmitidas para o Novo Banco em 29 de dezembro de 2015 por decisão do Banco de Portugal.

INCERTEZAS DO FUNDO DE RESOLUÇÃO

Como é que tal será feito é ainda incerto. O Fundo de Resolução assume, no relatório e contas de 2017 (o do ano passado ainda não foi publicado), que este é um encargo futuro: “Relativamente aos credores comuns cujos créditos não foram transferidos para o Novo Banco, o direito à compensação pelo Fundo de Resolução será determinado no encerramento do processo de liquidação do BES”.

Só que há aspetos a clarificar, lembra o veículo presidido por Luís Máximo dos Santos, vice-governador do Banco de Portugal: “Até lá haverá ainda que esclarecer um conjunto de complexas questões jurídicas e operacionais, nomeadamente quanto à titularidade do direito à compensação pelo Fundo de Resolução, pelo que, tudo considerado, não é possível, por ora, estimar o montante da compensação a pagar no encerramento da liquidação do BES”. O tema mereceu também a atenção da EY, a auditora deste veículo, na certificação legal das contas de 2017.

Este é mais um encargo que se junta ao Fundo de Resolução, já sobrecarregado pela intervenção no BES. A entidade, que funciona junto do Banco de Portugal, já tem de recuperar os 4,9 mil milhões injetados no Novo Banco em 2014, bem como os cerca de 2 mil milhões já colocados ao abrigo do mecanismo de capital contingente acordado com a Lone Star (e os 1,89 mil milhões que ainda podem vir a ser disponibilizados devido a este sistema). Todas as injeções foram feitas com ajuda de dinheiros estatais mas, mesmo que assim não fosse, qualquer movimentação de capitais por parte do Fundo de Resolução tem impacto nas contas públicas, já que a entidade integra o perímetro orçamental.

Além disso, há outros custos contingentes para o Fundo de Resolução: processos judiciais e compensações a pagar ao Novo Banco por “eventuais efeitos negativos de decisões decorrentes do processo de resolução que resultem em responsabilidades ou contingências para este banco”.

Pimco, Goldman Sachs e Novo Banco são os maiores credores do BES. Veja a lista

Junho 7th, 2019

Citamos

Eco

Pimco, Goldman Sachs e Novo Banco são os maiores credores do BES. Veja a lista

Foram reconhecidos quase cinco mil credores do BES. Mas apenas 10 grandes entidades concentram a maior fatia do montante reclamado. Exigem 2,1 mil milhões de euros. Quem são?

Mais de 40 fundos da Pimco reclamam do BES aproximadamente de 560 milhões de euros. É o maior credor reconhecido pela comissão liquidatária do banco falido de acordo com as listagens entregues no Tribunal do Comércio de Lisboa na semana passada. Seguem-se o Goldman Sachs e o Novo Banco, que exigem 315 milhões e 277 milhões de euros respetivamente.

Aproximadamente 5.000 credores foram reconhecidos pela comissão de liquidação do BES, reclamando à instituição pouco mais de 5.000 milhões de euros na sequência queda aquando da medida de resolução aplicada pelo Banco de Portugal à 22h45 de domingo, 3 de agosto de 2014.

Na sua grande maioria são pequenos clientes da instituição falida. São sobretudo portugueses, mas também há estrangeiros. Entre eles estão os antigos gestores do banco, como Ricardo Salgado, por exemplo. Ainda assim, quase metade do valor reclamado (e validado pela comissão liquidatária) vem de apenas dez grandes entidades que foram agora reconhecidas como credoras do BES: exigem mais de 2,1 milhões de euros. Quem são?

10 maiores credores do BES

CredorEurosMontantePimcoGoldman SachsNovo BancoBES FinanceBTGGoldenTree AssetBlackRockTrinity InvestmentsTDC PensionskasseCQS0100M200M300M400M500M600MGoldman Sachs● Montante: 314 411 832

Fonte: Comissão Liquidatária do BES

10 mil lesados do BES sem indemnização

Junho 7th, 2019

Citamos

Sic com som

Metade das 21 mil pessoas que reclamam créditos ao banco Espírito Santo não foram reconhecidos como credores pela comissão liquidatária. 8 mil são emigrantes.

Há 21 credores a reclamar mais de 50 milhões ao BES. Só dois são portugueses: veja quais

Junho 7th, 2019

Citamos

Expresso

Pimco e Goldman Sachs estão na liderança dos credores do BES, lista que engloba grandes fundos e bancos internacionais. De Portugal, constam o Novo Banco e a Fidelidade

Há 21 credores a reclamar, cada um, mais de 50 milhões de euros ao Banco Espírito Santo (BES), entidade que está em liquidação. Ao todo, pedem o ressarcimento de 3,2 mil milhões de euros. Desse conjunto de investidores, apenas dois são portugueses: o Novo Banco e a Fidelidade.

Este conjunto de 21 nomes com créditos reclamados superiores a 50 milhões totalizam 3,2 mil milhões de euros, ou seja, quase dois terços dos 5,1 mil milhões de euros que foram reconhecidos pela comissão liquidatária presidida por César Brito.

A gestora de ativos americana Pimco é a líder das credores do BES, segundo a lista de créditos reconhecidos pela comissão liquidatária, entregue na passada semana no Tribunal do Comércio de Lisboa e consultada pelo Expresso. Pede 551,8 milhões, devido aos investimentos feitos por vários dos seus fundos. É, aliás, assim que o grande leque de investidores surge na lista de credores: através de vários fundos e entidades que colocaram os seus investimentos em títulos da instituição financeira anteriormente liderada por Ricardo Salgado.

A Pimco é uma credora sénior. Não havendo credores privilegiados nem garantidos, são os seniores aqueles que têm prioridade no reembolso, em relação aos credores subordinados. Contudo, neste momento, também para os próprios credores seniores têm poucas perspetivas de recuperação, tendo em conta que, com os dados de final de 2018, a situação patrimonial do BES é totalmente deficitária: o ativo representa 2,85% de todas as responsabilidades.

O Goldman Sachs surge em segundo lugar, com 313,9 milhões de euros, sendo que continua a correr também a luta judicial com o Banco de Portugal para que seja considerado credor do Novo Banco e não do BES “mau”.

A grande maioria dos credores – 2,2 mil milhões de euros – resulta da transferência de dívida sénior do Novo Banco para o BES “mau” a 29 de dezembro de 2015, quando o Banco de Portugal assim o decidiu para capitalizar o primeiro (que tinha, em 2014, ficado com os ativos considerados saudáveis do BES).

Também o Grupo Novo Banco está no elenco definido pela comissão liquidatária: é o terceiro maior credor, reclamando 289,3 milhões de euros. A segunda entidade portuguesa na lista é a Fidelidade, seguradora que pede 50 milhões, uma informação já noticiada pelo Expresso.

BES reconhece reclamações de cinco mil credores. Exigem mais de 5.000 milhões de euros

Junho 3rd, 2019

Citamos

BES reconhece reclamações de cinco mil credores. Exigem mais de 5.000 milhões de euros

A comissão liquidatária do BES recebeu 32.500 reclamações deduzidas por quase 24 mil reclamantes. Mas só reconhece 20% dos credores, que exigem mais de 5.000 milhões de euros.