BES: Juiz Ivo Rosa levanta arresto sobre bens de primo de Salgado

Citamos

Eco

O juiz Ivo Rosa diz não encontrar provas de que o arguido está ou esteve a tentar vender, ceder ou ocultar património e por isso considerou não haver fundamento para o arresto.

O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal, Ivo Rosa, levantou o arresto sobre todos os bens de José Manuel Espírito Santo Silva, primo de Ricardo Salgado e um dos principais arguidos do processo BES. Segundo avançou a Sic Notícias, num despacho o juiz diz não encontrar provas de que o arguido está ou esteve a tentar vender, ceder ou ocultar património e por isso considerou não haver fundamento para o arresto.

A decisão do arresto foi ordenada em 2019 pelo outro juiz do Ticão, Carlos Alexandre. Naquela altura o magistrado decidiu também reduzir o valor recebido pelo arguido, passando de 30 mil euros por mês para cerca de 2.115 euros.

A instrução do caso BES foi adiada pelo menos até março. Para este mês estavam agendadas duas sessões, mas o Tribunal Central de Instrução Criminal acabou por adiar o início desta fase processual, desmarcando todas as diligências previstas para fevereiro. Em causa estão questões de saúde do juiz Ivo Rosa, segundo apurou o ECO, que estará ausente por tempo indeterminado.

O caso BES tem como figura central Ricardo Salgado — ex-presidente do Grupo Espírito Santo (GES) — acusado de 65 crimes: um crime de associação criminosa, 30 crimes de burla qualificada, 12 de corrupção ativa (todos em coautoria), nove de falsificação de documento, dois de manipulação de mercado, quatro de infidelidade e sete de branqueamento de capitais.

Iniciado no dia 12 de agosto de 2014, o inquérito do processo principal “Universo Espírito Santo” teve origem numa notícia de 3 de agosto desse ano sobre a medida de resolução do BES e analisou um conjunto de alegadas perdas sofridas por clientes das unidades bancárias Espírito Santo.

Comments are closed.