Arquivo para a categoria ‘Rui Rio’

Rui Rio insiste: “Falta saber quem é o último beneficiário” da venda da seguradora GNB pelo Novo Banco

Terça-feira, Agosto 25th, 2020

Citamos

Observador

Rui Rio insiste: “Falta saber quem é o último beneficiário” da venda da seguradora GNB pelo Novo Banco

O presidente do PSD considerou que “falta saber quem é o último beneficiário” da venda da antiga seguradora GNB Vida, operação que gerou perdas compensadas com verbas do Fundo de Resolução.

O presidente do PSD, Rui Rio, considerou esta terça-feira que “falta saber quem é o último beneficiário” da venda da antiga seguradora GNB Vida, operação que gerou perdas compensadas com verbas do Fundo de Resolução.

“Em 2016, no balanço do Banco Bom, a GNB Vida valia 620 milhões de euros. Em Junho de 2019 tinha capitais próprios de 391 milhões de euros. Três meses depois é vendida por 123 milhões de euros. As perdas, que dizem ser de 268 milhões de euros, pagaram os contribuintes. E ainda falta saber quem é o último beneficiário desta coisa”, considerou Rui Rio, numa publicação na rede social Twitter.

Na segunda-feira o jornal Público avançou que a seguradora GNB Vida (agora designada Gama Life), “foi vendida em outubro de 2019, a fundos geridos pela Apax Partners, com um desconto de 68,5% face ao valor contabilístico inscrito no balanço de 30 de junho daquele ano”.

A operação “gerou uma perda para a instituição financeira de 268,2 milhões de euros” e serviu para o presidente do Novo Banco, António Ramalho, “justificar novo pedido de injeção de dinheiros públicos”, explicou o Público. No entanto, aditou o jornal, “não é apenas a variação acentuada de valores a suscitar controvérsia, são os sinais de que as autoridades nacionais e europeias desvalorizaram os indícios de ligação do comprador da Gama Life ao magnata do setor segurador Greg Lindberg, condenado já este ano pela Justiça norte-americana por corrupção e fraude fiscal”.

Em setembro de 2018, o banco de António Ramalho tinha comunicado ao mercado que a GNB Vida tinha sido vendida por 190 milhões de euros à Bankers Insurance Holdings, pertencente ao Global Bankers Insurance Group, detido por Greg Lindberg.

Contudo, o negócio entrou em compasso de espera depois de se ter tornado público que Lindberg estava a ser investigado por fraude fiscal, corrupção e pagamentos indevidos ao Partido Republicano a troco de benefícios regulatórios para o Global Bankers, escreve ainda o jornal.

O Público associa os currículos dos gestores da GamaLife (nova designação da GNB Vida) a Greg Lindberg, apelidando o “principal executivo” Matteo Castelvetri de “braço direito” de Lindberg na Europa, mencionando ainda que o número dois, Alistair Wallace Bell, foi diretor de estratégia e de operações do GBIG para a Europa, sendo agora ambos parceiros na antiga GNB Vida.

A seguradora GamaLife, anteriormente designada por GNB Vida e pertencente ao Novo Banco, já rejeitou ter “qualquer relação” com o gestor acusado de corrupção Greg Lindberg, segundo um comunicado ao mercado.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) afirmou também na segunda-feira que não observou nenhuma ligação entre os compradores da GNB Vida, seguradora do Novo Banco, e Greg Lindberg, gestor acusado de corrupção nos Estados Unidos.

O Fundo de Resolução, entidade na esfera do Banco de Portugal (BdP) que detém 25% do Novo Banco, afirmou que o montante da venda da seguradora GNB Vida refletiu “o valor de mercado” da empresa, à data.

Ramalho enviou carta a Rio a explicar vendas do Novo Banco

Terça-feira, Agosto 4th, 2020

Citamos

Expresso

Missiva foi enviada no início de julho e nela o CEO explicava operações com os imóveis do banco. No entanto, Rui Rio manteve a pressão

As suspeitas de Rui Rio em relação às vendas do Novo Banco vêm crescendo há muito. Há pelo menos três meses já se comentava na direção do PSD os “negócios estranhos” do banco presidido por António Ramalho e offshores de que ninguém conhecia o rasto. As suspeitas nem eram originais: Helena Roseta, então deputada do PS, já tinha levantado a lebre em março de 2019. Mas foi já no final de maio que o líder social-democrata decidiu levar o tema ao Parlamento, exigindo ao Governo que esclarecesse se havia ou não créditos do Novo Banco vendidos “ao desbarato”.

Perante as suspeitas, António Ramalho enviou uma carta a Rio, datada de 8 de julho, em que tenta esclarecer as dúvidas do social-democrata. Nessa missiva, a que o Expresso teve acesso, começa por recusar a ideia de que o banco “carregou” nas imparidades para crédito e por rejeitar a ideia de que foram constituídas imparidades para o banco poder beneficiar do auxílio do Fundo de Resolução — e dos contribuintes. O gestor argumenta igualmente, e para isso usa gráficos e tabelas, que o comportamento do banco nesta rubrica não difere muito do da Caixa Geral de Depósitos e do do BCP em 2016 e 2017. A liderança do banco adianta ainda detalhes sobre carteiras de imóveis que foram vendidas em 2018 e 2019 (os chamados projetos Viriato e Sertorius), dando indicações sobre os imóveis vendidos e os respetivos preços (mas não sobre o impacto direto nos resultados da instituição).

Rui Rio diz ter sido “muito crítico da atuação de Carlos Costa” no Banco de Portugal

Sexta-feira, Julho 31st, 2020

Citamos

Expresso

O presidente do PSD disse esta quinta-feira não ter ficado surpreendido com o relatório do Tribunal de Contas que sugere mais planeamento na resolução de bancos, lembrando que tem sido crítico da gestão do governador do Banco de Portugal

Opresidente do PSD disse esta quinta-feira não ter ficado surpreendido com o relatório do Tribunal de Contas (TdC) , acrescentando que foi um crítico da gestão do governador do Banco de Portugal. “Ainda não vi o documento do TdC, mas não me surpreende que possa haver um relatório crítico, porque eu também sou critico. Tenho sido crítico daquilo que foi a atuação do governador Carlos Costa ao longo dos anos”, disse Rui Rio, em Portimão, no Algarve.

O TdC divulgou na quarta-feira ao fim da noite uma auditoria à Autoridade Nacional de Resolução (ANR) de bancos, a cargo do Banco de Portugal, em que fala também sobre os custos da resolução de bancos e os riscos da atual crise pandémica para a estabilidade do sistema financeiro e, logo, para as contas públicas.

Ainda antes da entrada em vigor do Mecanismo Único de Resolução europeu, Portugal fez duas intervenções em bancos (BES e Banif) em que o Governo teve um papel relevante na decisão e no financiamento do Fundo de Resolução (FdR) com empréstimos para este poder intervir nesses bancos.

Como o Fundo de Resolução não tem tido dinheiro suficiente para financiar as intervenções, obtém empréstimos do Estado que pagará a longo prazo, tendo o Estado de se endividar para emprestar esse dinheiro, como tem vindo a acontecer no caso das injeções de capital do Novo Banco.

Em declarações aos jornalistas à margem de uma reunião com profissionais de saúde, em Portimão, no segundo de dois dias de uma visita ao Algarve, o líder social-democrata recordou que desde há muito, antes ainda de liderar o maior partido da posição, já criticava a atuação do Banco de Portugal, nomeadamente “da forma como se fez a resolução do Banif e como se lidou com o BES”. “Acho que o Banco de Portugal teve, obviamente, graves deficiências ao nível da supervisão e da forma como esses assuntos foram resolvidos, o BES é um exemplo”, apontou.

Rui Rio recordou que o Novo Banco foi classificado pelo governador Carlos Costa como o banco bom, verificando-se depois que, “afinal não havia o bom e o mau, havia o mau e o péssimo”. “Fui sempre, repito, muito crítico daquilo que foi a gestão do doutor Carlos Costa à frente do Banco de Portugal”, sublinhou.

Rio acrescentou que em relação ao Banif, existem muitas dúvidas quanto ao processo de resolução do banco: “Se nós fossemos acreditar, não sei se devemos acreditar ou não, no balanço oficialmente publicado pelo Banif, nada justificava que o banco não pudesse continuar a funcionar de forma absolutamente normal”. “Então, pelo balanço o banco está perfeitamente razoável e depois, de repente, o banco é pura e simplesmente destruído . Ou não devia ser destruído ou o balanço era um engano completo apesar de auditado e certificado”, destacou.

O líder social-democrata esteve de visita ao Algarve para ouvir empresários de vários setores de atividade, de forma, segundo disse, a que possa formalizar uma opinião e apresentar medidas para atenuar os problemas económicos de uma das maiores regiões turísticas do país, afetada pela pandemia da covid-19.

    NOVO BANCO Seguir Rui Rio sobre os negócios do Novo Banco: “Isto é gozar com os portugueses”

    Sexta-feira, Julho 31st, 2020

    Citamos

    Observador

    Rui Rio sobre os negócios do Novo Banco: “Isto é gozar com os portugueses”

    O líder do PSD diz que a investigação do jornal Público vem confirmar as suspeitas que já tinha sobre os negócios do Novo Banco e pede ao Ministério Público que investigue desde a venda à Lone Star.

    Rui Rio reagiu à investigação do Público, sobre a venda dos imóveis do Novo Banco — ou o “banco bom”, como chegou a ser chamado. “Isto é gozar com os portugueses.” E diz que o Governo esteve mal porque não verificou se as perdas anunciadas pelo banco eram reais ou não. Para a comunicação social, de que tantas vezes é crítico, uma palavra de apreço pela exposição do assunto.

    “Se isto que hoje vem no Público é como lá está, é mais grave do que eu pensava”, diz o líder do PSD assumindo que se tem batido por este dossier. “Pessoalmente não posso afirmar que tudo isto é verdade, mas suspeito que tudo isto anda próximo da verdade.”

     

    Em causa está a venda de casas, pelo Novo Banco, abaixo do preço de mercado a um fundo das ilhas Caimão. Além disso, o banco terá emprestado o dinheiro para se fazer essa compra. O prejuízo resultante foi coberto pelo Fundo de Resolução.

    As cinco empresas que terão comprado os mais de 5.500 imóveis, diz Rui Rio, “mais não são do que testas de ferro de um fundo offshore“. Os imóveis vendidos a preços “baratíssimos”, significaram largas perdas para os contribuintes portugueses “que vieram depois a pagar essas perdas”.

    O facto de o Novo Banco emprestar dinheiro a quem vai comprar os próprios imóveis, Rui Rio classifica de um negócio de “praticamente risco zero e com ganho garantido”. Um ganho para o banco e uma perda para todos os contribuintes estimada em “260 milhões de euros de impostos que pagamos para o Novo Banco andar — não sabemos —, mas aparentemente andar a fazer isto”.

    “Parece que é tudo feito para vender barato, tudo feito para perder, para dar mais valias a alguém e o contribuinte português a pagar”, crítica Rui Rio, por os 5.500 imóveis terem sido vendidos em lote em vez de separados em lotes mais pequenos que permitissem aumentar o preço. “Se isto é verdade, é gravíssimo.”

    O líder do PSD volta a criticar o Governo por não garantir que os milhões de euros “dos nossos impostos” pagos ao Novo Banco eram devidos ou se eram “fruto de negócios, que podem ser ilegais, podem ser criminosos, mas seguramente são eticamente reprováveis”. “O Governo devia ter tido o cuidado de aferir antes de pagar.”

    “O Governo pagou pura e simplesmente e agora vai correr atrás do prejuízo. Só que o prejuízo não é do Governo, é de todos os portugueses”, diz Rui Rio.

    Rui Rio diz que agora está nas mãos do Ministério Público verificar se estas acusações são verdadeiras. É que, supostamente, o “banco bom” — por oposição ao BES, o banco tóxico —, aquele que não ia dar problemas, “dá um prejuízo deste tamanho e, ainda por cima, com estes contornos”. A investigação, defende o líder do PSD, deve ser feita deste o momento do contrato de venda à Lone Star e “tudo o que depois acontece em cima desse contrato de venda”. E acrescenta que a auditoria que está a ser feita não substitui uma investigação judicial.

    Além disso, o líder do PSD defende também uma investigação política — depois das férias do verão — para aferir a responsabilidade política do Governo. “O Governo assume: recebia a fatura e entregava o dinheiro.”

    Atualizado às 16h50

     

    Novo Banco: Rio diz que contribuintes vão pagar milhões e defende auditoria

    Domingo, Março 17th, 2019

    Citamos

    Revista Sábado

    O líder do PSD afirmou que vão ser os contribuintes a pagar milhões ao Novo Banco, por ser grande o “horizonte de tempo” para admitir a devolução do dinheiro que o Estado vai emprestar ao Fundo de Resolução.

    O líder do PSD afirmou esta sexta-feira que vão ser os contribuintes a pagar milhões ao Novo Banco, por ser grande o “horizonte de tempo” para admitir a devolução do dinheiro que o Estado vai emprestar ao Fundo de Resolução.

    “Quem efetivamente tem de pagar os biliões todos é o fundo de resolução, que pertence ao sistema bancário. Como o sistema não tem verbas, tem de ser o Estado a emprestar. Se o fundo pagar ao Estado, não tem custos para os contribuintes. Mas, a minha resposta é que tem. O horizonte de tempo para se admitir a possibilidade de devolver o dinheiro ao Estado é para cima de 30 anos. Isto se for possível pagar”, alertou Rui Rio.

    O líder social-democrata defendeu ainda a realização de uma auditoria ao Novo Banco, para avaliar “se as imparidades [redução do valor contabilístico de um ativo] são reais ou se estão a ser empoladas”, notando ter sobre o caso “informações de alguma gravidade”.

    “O Novo Banco sabe que, apresentando determinadas imparidades, o dinheiro dos portugueses vai pagar isso”, observou.

    Segundo Rui Rio, o “empenho do Novo Banco em receber crédito malparado está aquém do que devia ser” e essa “facilidade” existe “face à forma como Governo desenhou a venda” da instituição.

    “Só uma auditoria pode avaliar estas situações”, frisou o líder social-democrata, que falava aos jornalistas no Porto, após uma reunião com o presidente do Conselho Geral do Politécnico de Leiria, em representação dos Presidentes dos Conselhos Gerais dos Politécnicos.

    No dia 1 de março, o Novo Banco anunciou que vai pedir uma injeção de capital de 1.149 milhões de euros ao Fundo de Resolução. No ano passado, para fazer face a perdas de 2017, este banco já tinha recebido uma injeção de capital de 792 milhões de euros do Fundo de Resolução.

    No dia 6 de março, a propósito do período em que incidirá a auditoria anunciada pelo Governo ao Novo Banco, o primeiro-ministro declarou que será sobre a fase anterior à resolução do Banco Espírito Santo (BES), salientando que a fase posterior foi “conduzida diretamente” pelo Banco de Portugal.

    Na altura, questionado sobre a posição do Presidente da República a favor de uma auditoria ao período “desde que foi determinada a resolução”, António Costa disse perceber a posição de Marcelo Rebelo de Sousa, mas sugeriu que “porventura uma comissão parlamentar de inquérito seria mais adequada para fazer a apreciação da atuação do Banco de Portugal neste processo”.

    Três dias antes, o Presidente da República tinha-se manifestado de acordo com o pedido de auditoria anunciado pelo Governo às contas do Novo Banco, defendendo que “os portugueses têm o direito de saber o que se passou desde que foi determinada a resolução, já lá vão muitos anos, com sucessivas gestões, e saber concretamente qual o destino do dinheiro dos contribuintes”.

    O Novo Banco foi criado em 2014 para ficar com parte dos ativos do BES e é desde outubro de 2017 detido em 75% pelo fundo norte-americano Lone Star, sendo os restantes 25% propriedade do Fundo de Resolução gerido pelo Banco de Portugal.

    A Lone Star não pagou qualquer preço, tendo acordado injetar 1.000 milhões de euros no Novo Banco, e negociou um mecanismo que prevê que, durante oito anos, o Fundo de Resolução injete até 3,89 mil milhões de euros no banco, por perdas que venha a registar num conjunto de ativos ‘tóxicos’ e alienações de operações não estratégicas, caso ponham em causa os rácios de capital da instituição.

    Em 2018 o Novo Banco registou prejuízos de 1.412 milhões de euros.