Há 21 credores a reclamar mais de 50 milhões ao BES. Só dois são portugueses: veja quais

Citamos

Expresso

Pimco e Goldman Sachs estão na liderança dos credores do BES, lista que engloba grandes fundos e bancos internacionais. De Portugal, constam o Novo Banco e a Fidelidade

Há 21 credores a reclamar, cada um, mais de 50 milhões de euros ao Banco Espírito Santo (BES), entidade que está em liquidação. Ao todo, pedem o ressarcimento de 3,2 mil milhões de euros. Desse conjunto de investidores, apenas dois são portugueses: o Novo Banco e a Fidelidade.

Este conjunto de 21 nomes com créditos reclamados superiores a 50 milhões totalizam 3,2 mil milhões de euros, ou seja, quase dois terços dos 5,1 mil milhões de euros que foram reconhecidos pela comissão liquidatária presidida por César Brito.

A gestora de ativos americana Pimco é a líder das credores do BES, segundo a lista de créditos reconhecidos pela comissão liquidatária, entregue na passada semana no Tribunal do Comércio de Lisboa e consultada pelo Expresso. Pede 551,8 milhões, devido aos investimentos feitos por vários dos seus fundos. É, aliás, assim que o grande leque de investidores surge na lista de credores: através de vários fundos e entidades que colocaram os seus investimentos em títulos da instituição financeira anteriormente liderada por Ricardo Salgado.

A Pimco é uma credora sénior. Não havendo credores privilegiados nem garantidos, são os seniores aqueles que têm prioridade no reembolso, em relação aos credores subordinados. Contudo, neste momento, também para os próprios credores seniores têm poucas perspetivas de recuperação, tendo em conta que, com os dados de final de 2018, a situação patrimonial do BES é totalmente deficitária: o ativo representa 2,85% de todas as responsabilidades.

O Goldman Sachs surge em segundo lugar, com 313,9 milhões de euros, sendo que continua a correr também a luta judicial com o Banco de Portugal para que seja considerado credor do Novo Banco e não do BES “mau”.

A grande maioria dos credores – 2,2 mil milhões de euros – resulta da transferência de dívida sénior do Novo Banco para o BES “mau” a 29 de dezembro de 2015, quando o Banco de Portugal assim o decidiu para capitalizar o primeiro (que tinha, em 2014, ficado com os ativos considerados saudáveis do BES).

Também o Grupo Novo Banco está no elenco definido pela comissão liquidatária: é o terceiro maior credor, reclamando 289,3 milhões de euros. A segunda entidade portuguesa na lista é a Fidelidade, seguradora que pede 50 milhões, uma informação já noticiada pelo Expresso.

Comments are closed.