Novo Banco com prejuízo de 555 milhões sinaliza nova injecção de 176 milhões

Citamos

Público

O banco liderado por António Ramalho fechou o primeiro semestre com um prejuízo de 555 milhões, penalizado ainda pelo legado do BES e já pelos efeitos da pandemia de covid-19.

Entre Janeiro e Junho, o Novo Banco perdeu mais 555 milhões de euros. Um resultado negativo penalizado novamente pelo legado do BES e que irá justificar, segundo o comunicado divulgado esta sexta-feira, uma nova chamada de capital de, pelo menos, mais 176 milhões de euros.

O prejuízo registado no primeiro semestre representa um agravamento de 38% face às perdas de 400 milhões observadas no mesmo período do ano passado. Para além do peso que a gestão de carteiras de crédito problemático continua a ter na actividade da instituição – coberta pela mecanismo de capital contingente -, a instituição começou já a sentir os danos que a pandemia de covid-19 está a ter na qualidade do restante crédito.

Assim, a equipa de António Ramalho decidiu registar uma imparidade adicional de 138,3 milhões de euros “para riscos de crédito decorrentes da pandemia covid-19”, num contexto marcado pelo “abrandamento da actividade bancária e volatilidade dos mercados [que] levou ao agravamento do custo do risco”. Sobre esta questão, o banco não deixa margem para grandes dúvidas: “É esperado que o nível de provisionamento se mantenha elevado nos próximos trimestres” na sequência da crise económica.

A pesar nas contas esteve também não só uma perda de 78,7 milhões de euros “relacionados com a cobertura de risco de taxa de juro de títulos de dívida pública portuguesa”, mas também 26,9 milhões de “reforço da provisão para reestruturação”, incluído no âmbito da actividade do legado do BES.

Precisamente, no que diz respeito ao polémico legado do BES – que já justificou injecções do Fundo de Resolução de perto de três mil milhões de euros, dos quais mais de dois mil milhões com empréstimos do Estado –, o Novo Banco registou perdas de 493,7 milhões de euros, “que reflectem a prossecução do processo de deleverage [desalavancagem] de créditos, imóveis e outras exposições legacy [legado] que estavam no balanço do banco em 2016”. Se por um lado, este resultado explica-se pelo efeito da venda de carteiras de crédito problemático a preços baixos, desta vez surge uma novidade: uma perda de 260,6 milhões de euros em resultado “da avaliação independente aos fundos de reestruturação”.

O banco explica, a este propósito, que “tem na sua carteira de títulos investimentos em fundos de reestruturação, que estão maioritariamente protegidos pelo Mecanismo de Capitalização Contingente”. Assim, “dando resposta a orientações do Banco Central Europeu, o banco obteve uma avaliação independente relativamente à sua exposição a estes fundos (…) em articulação com conceituadas empresas de consultoria imobiliária”. “Deste trabalho resultou um valor de mercado de 557,2 milhões de euros para a totalidade do investimento detido nestes activos, o que levou ao registo da referida perda de 260,6 milhões”.

O Novo Banco acrescenta que “continuará a monitorizar esta área à medida que o impacto da pandemia na economia portuguesa se tornar mais claro”, deixando em aberto novo impacto desta actividade nas necessidades de capital cobertas pelo mecanismo de capital contingente.

Nesta área que está a ser avaliada pela Deloitte, numa auditoria cujos resultados voltaram a ser adiados para Agosto, o activo composto por créditos problemáticos e outras exposições deficitárias decresceu em 782 milhões de euros face a Dezembro de 2019, com a redução na carteira de crédito líquida em cerca de 158 milhões, em imóveis de 129 milhões e nos referidos fundos de reestruturação em 495 milhões.

Assim, em resultado destas perdas, “o Novo Banco estima, a esta data e para este período de seis meses, um montante a receber de 176 milhões de euros ao abrigo do Mecanismo de Capitalização Contingente”.

Solidez protegida

No que diz respeito à solidez do banco, esta está protegida “em níveis predeterminados até aos montantes das perdas já verificadas nos activos protegidos pelo Mecanismo de Capitalização Contingente”. Quer isto dizer que as injecções do Fundo de Resolução visam, precisamente, manter o Novo Banco à superfície face às exigências impostas pelas autoridades europeias.

Isso mesmo recorda o banco, em comunicado, sublinhando que “o montante de compensação a solicitar com referência a 2020 terá em conta as perdas incorridas nos activos cobertos pelo Mecanismo de Capitalização Contingente, bem como as condições mínimas de capital aplicáveis no final de 2020 ao abrigo” do mesmo instrumento.

“O Novo Banco continua com o seu rácio CET1 [o mais importante] protegido, tendo este nível de protecção sido fixado em 12% a partir de Janeiro de 2020”, conclui, acrescentando que “em 30 Junho de 2020, o rácio provisório CET1 foi de 12,0% e o rácio provisório de solvabilidade total de 13,5%, valores que representam uma redução face aos apurados no final de 2019”. Uma descida explicada pela “diminuição dos capitais próprios impactados no período pelos efeitos decorrentes da pandemia covid-19”.

Isto, apesar “de o Banco Central Europeu (BCE) ter divulgado em 12 Março de 2020 diversas medidas que permitem aos Bancos operar temporariamente abaixo do nível de capital exigido”, como destaca o próprio banco no comunicado dos resultados. “Estas medidas visam impedir a suspensão do financiamento à economia pelos Bancos num contexto económico adverso”, justifica.

Sobre o negócio, neste primeiro semestre atípico, o Novo Banco refere que os resultados da actividade “apresentam melhorias quando comparados com os do período homólogo – aumento do resultado operacional estratégico (+3,1%) em resultado do aumento da margem financeira (+3,2%) e da redução de custos operativos (-5,4%), e aumento do resultado operacional (+10,5%)”. Sem legado do BES, o banco lucrou 34 milhões de euros, tendo o crédito concedido aumentado ligeiramente (+2,6%) em cerca de 600 milhões de euros.

Comments are closed.