Vírus atrasa auditoria ao Novo Banco

Citamos

Económico

A conclusão da auditoria da Deloitte deverá derrapar para lá de 31 de maio.

O surto do novo coronavírus vai atrasar a conclusão da auditoria que a Deloitte está a fazer ao Novo Banco e que estava prevista até 31 de maio, soube o Jornal Económico (JE) junto de fonte do próxima ao processo.
“Este momento altamente disruptivo levará ao adiamento da conclusão da auditoria ao Novo Banco”, explicou, adiantando que não há agora uma data prevista para a sua conclusão.

m causa está a dificuldade dos 40 técnicos da Deloitte de realizarem inspeções presenciais na sede do banco para recolha de prova e de documentos devido às medidas de distanciamento, explicou. A Deloitte vai auditar cerca de 200 ativos entre créditos, imóveis, títulos e operações com subsidiárias que tenham gerado perdas cobertas pelo CCA.

O JE sabe que a Deloitte tem avançado com a análise aos atos e que esta semana houve uma reunião à distância. Mas o ritmo de trabalho é mais lento nas atuais circunstâncias de confinamento. A Covid-19 condiciona os serviços de auditoria, o que levou a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários a emitir, na semana passada, recomendações dando primazia à “utilização de ferramentas digitais de trabalho remoto” nos casos em existam limitações no acesso à informação ou às instalações de empresas.

A Deloitte tem pela frente um trabalho hercúleo porque o mandato que lhe foi atribuído abrange a caracterização das perdas e outras variações patrimoniais ocorridas entre a data da resolução do BES, no dia 4 de agosto de 2014, e 31 de dezembro de 2018, que provocaram chamadas de capital ao Fundo de Resolução no âmbito do Mecanismo de Capitalização Contingente (CCA), desde a sua origem, algumas das quais remontam ao ano 2000. Mas a investigação remonta à origem destas operações, pelo que o horizonte temporal da auditoria estende-se por um período de 18 anos, a partir do ano 2000, apanhando as administrações de Ricardo Salgado, Vítor Bento (BES) e de Eduardo Stock da Cunha e de António Ramalho (do Novo Banco).

Comments are closed.